Fisl, Gnome, GNU/Linux, Linux, Ubuntu

Pré resumão do FISL 9.0

Estamos aqui, direto do FISL 9.0, no último dia, as 16h50, no stand do Ubuntu, um dos mais visitados, e que só agora deu uma “folga”.

Infelizmente o FISL já está para acabar, foi realmente muito bom. Depois de 3 dias bem pesados, estamos todos exaustos, mas muito felizes com o resultado final. Passaram pelo nosso stand muita gente, que lotou o tempo todo aqui e não “deu descanso” pra ninguém da comunidade.

Pra quem ficou de fora, acompanhe pelo Planeta os posts do pessoal. Uma dica é acompanhar pelo Twitter, que tem os links para as fotos no Flickr e afins. Acompanhe, então, no twitter do Lício, Fábio Nogueira, Lucas Arruda, André Gordinho (ops, Gondim), Cropalato, Jonh Wendell e Coringão (Ubuntu Games).

Padrão
Desktop, GNU/Linux, Linux, Market Analysis, Microsoft, Opensource, Portabilidade, SO, Ubuntu, Windows

Photoshop CS2 no Linux: Google patrocinando Wine

Wine

Photoshop CS2 rodando no Linux?

Sim, graças ao Google que desde 2006 vem patrocianando e trabalhando junto com a equipe do CodeWeavers para portar aplicações do Windows para o Linux, como o Picasa, melhorando a compatibilidade do Wine. Assim, os bugs do Wine vão sendo corrigidos e mais e mais aplicações que rodam no Windows passam a rodar no Linux.

Cada vez mais, estamos vendo o Linux como sendo uma alternativa viável de Desktop. Já pelo outro lado, estamos vendo a MS cada vez mais desesperada.

Muitas empresas já perceberam que é interessante mudar seu modelo de negócio, como Adobe, Oracle, IBM, Yahoo, entre outras dezenas, e investir mais no código-aberto, seja direta ou indiretamente. Exemplos não faltam.

Porém, insistentemente, vemos o modelo de negócio da Microsoft, antigo e ultrapassado, não enxergar muito bem essa mudança. Ou será que ela só está vendo isso agora, com sua recente oferta? Queria ou não, a Internet é o futuro. Não, o Desktop não irá acabar, mas irá se mesclar com o mundo on-line de um modo que a Microsoft não está conseguindo acompanhar, e que outras empresas estão (vide: Adobe Air e Google Gears). Da para notar mais exemplos vendo o fracasso do Windows “fominha” Vista.

Um ótimo exemplo de uma empresa que tem sido uma águia em achar bons negócio é o Google. O Google vê no Linux uma relação mutualista, onde ambos tem a ganhar, e já investiu muito tempo e dinheiro, inclusive no kernel, no MySQL, Apache e outros, basta dar uma “googleada”.

Como terminará está história dependerá muito do sucesso da compra do Yahoo. Um fracasso nessa altura do campeonato pode significar um problema sem fim para a Microsoft.

Padrão
Desktop, GNU/Linux, Google, Linux, Search, SO, Tecnologia, Ubuntu

Google Desktop para Linux

Google Desktop For Linux

Depois de muito tempo esperando, finalmente o Google lançou seu Google Desktop para Linux. E não é que ele funciona muito bem?? Como estava esperando uma busca boa para Desktop no Linux, aonde o Beagle (Mono) e o Deskbar supriram mas deixaram a desejar, principalmente o Beagle que é feito em .NET e era (testei a uns meses atrás) bem lenta se comparada com a busca de Desktop do Google para Windows ou até mesmo perto do Deskbar.

Procurando um arquivo? Basta clicar duas vezes no ctrl (2 cliques rápidos) e digitar o nome (um pedaço dele basta) e pronto, o arquivo aparece na lista e é rápido, não demora pra listar nem da aquela famosa travadinha de 2 segundos.

Bom, chega de enrolação, para baixar existem duas maneiras. A primeira direto do site do Google Desktop e a segunda, melhor ainda, pelo repositório do Google para Linux. Lá, inclusive tem as instruções para o Ubuntu 7.04 e ainda tem as instruções de como se adicionar a chave. É só seguir os passos e ser feliz.

Depois de tudo pronto, é só procurar por Google desktop no Synaptic ou então ir no terminal e digitar:

sudo apt-get update
sudo apt-get install google-desktop-linux

Pronto, boa busca!

Padrão
GNU/Linux, Linux, Tecnologia, Ubuntu

Ubuntu, o que vem por aí em 2007

Enquanto estamos todos aguardando ansiosamente pelo Ubuntu 7.04 (Feisty Fawn), que está a passos de sair do Beta, já se fala do Ubuntu 7.10, codinome Gutsy Gibbon, anunciado pelo Mark, que vai trazer algumas novidades.

Num post passado, falei sobre as Quatro características que irão vender o Feisty Fawn, assunto iniciado pela Melissa Draper, que é a facilidade de instalação de codecs, que ocorre automaticamente ao tentar executar um arquivo sem codec que o suporte; assistente de migração, que pega dados de instalações anteriores como configurações, favoritos, fotos, músicas, etc, fazendo com que você tenha eles na nova instalação, e não precisa ser do Linux não; gerenciador de rede, que praticamente configura toda rede sozinho e você precisa apenas da senha no caso do wifi; efeitos de desktop, que habilita o compiz/beriz (que vão agora são a mesma coisa) com um clique.

Além disso, podemos esperar melhor suporte a virtualização, mostrando uma grande preocupação com o lado dos servidores, além de outras coisas como o suporte do avahi a conteúdos compartilhados na rede, administração de thin client, melhor suporte a impressoras e som, entre outros.

Com o Gutsy Gibbon, podemos esperar aceleração 3d por padrão, mas que ainda não foi confirmada, e muitas novidades na área de Desktop. É promessa uma instalação totalmente diferente, ridiculamente fácil e não assistida (provalvemente configurações de usuário virão logo após a instalação), que será um dos quebra-gelos para sua adoção em massa (além da instalação OEM que já existe, mas enquanto pc`s não chegam de fábrica com o Ubuntu, esta é uma excelente alternativa).

Outra novidade na área é um Ubuntu ultra-free, o Glossy Gnu, que leva a palavra free ao extremo, só incluindo software livre. Ela será feita em parceira com a equipe do GNewSense, um derivado do Ubuntu que só não tem nada proprietário.

Bom, então até dia 19!

O dia 19 já chegou!!!

Faça um tour pelo Feisty (em inglês)

Baixe o torrent do CD

Baixe o torrent do DVD

Veja as 4 características que irão “vender” o Feisty Fawn

Padrão
Gnome, GNU/Linux, Linux, Ubuntu

Quatro características que irão “vender” o Feisty Fawn

Melissa Draper, Ubuntu member, escreve em seu blog Geekosophical, quatro características que irão ser responsáveis por vender o Feisty Fawn e deixarão os outros sistemas a desejar (já podemos ver isso nas traduções e relatos de bugs).

Achei que traduzia um pouco da experiência que estou tendo em 2 meses de beta testing. Cheguei até a fazer um rascunho sobre as novidades do Feisty, mas achei que este foi direto e ao mesmo tempo completo. Bom, vamos às quatro características:

Obtenção automática de codecs: essa aqui fala por si própria. Ao tocar uma mp3 a primeira coisa que aparece é que você não tem suporte ao formato e um texto explicando vem a você. Após entender porque o formato não é incluído e você aceitar a instalação, é pedido a senha. Basta fornecer a senha e mandar avançar. Isso vale também para outros formatos multimídia.

Detectando falta de codecs:
gnome-codec-install

Mostrando pacotes a serem baixados:
adicionar_codecs

Assistente de migração: agora, migrar ficou mais fácil e mais seguro. Acreditem, o Ubuntu reconhece perfis de usuários com seus dados de outros Linux e até do Windows! Com alguns cliques, você seleciona o que importar e de qual usuário você quer manter a conta. Tudo isso para minimizar aquele tanto de coisas que se perdem quando você troca de sistema.

Gerenciador de rede: este fantástico gerenciador de rede agora vem por padrão e sem conflitos. Basta plugar um cabo de rede do seu roteador para o computador e ele já tem ip e tudo configurado. Nas conexões entre pcs também não é preciso configurar o ip, ele faz isso sozinho. Usar o wifi? O gerenciador te mostra as redes wifi conectáveis que estão por perto, ai é só fornecer a senha. Usando o chaveiro do GNOME, toda vez que você estiver perto desse mesma rede wifi ele irá conectar automaticamente quando você fornecer a senha do chaveiro (o chaveiro é uma senha única que destrava todas as outras, você só precisa guardar ela).

Veja ele funcionando: Applet do Gerenciador de Redes

Chaveiro do GNOME:
chaveiro_nm-applet

 

Efeitos de Desktop: quem disse que XGL é complicado? Agora, é muito simples! Basta ter uma placa que suporta (uma GeForce 2 é suficiente), acionar o programa “Efeitos para Desktop” em Sistema > Administração e pronto. Não precisa de mais nada o você tem o XGL na sua máquina.

Depois de muito usar o Feisty Fawn posso dizer que ele está fantástico. Acho que todos estes testes feitos no Edgy Eft.

Veja outros posts similares:
Breve relato sobre o Feisty, do Hamacker. Fala sobre várias funcionalidades do Feisty, com screenshots.
11 coisas que você não viu no Feisty (em inglês). Nem todas são novidades, mas vale a pena ler.
Tour pelo Feisty – Wiki do Ubuntu (em inglês)

Padrão
GNU/Linux, Google, Graficos, Linux, Pensamentos, Tecnologia

Photoshop perdendo mercado para o Gimp?

Recentemente a Adobe anunciou que irá fazer uma versão online do Photoshop. Isto me remete no mesmo momento a pensar que o Gimp está ganhando mercado e que já é uma ameaça real para a Adobe que ela já está fazendo uma versão menos completa de graça (pelo menos é a premissa que se espera hoje em dia de um serviço web, porém devem haver serviços online pagos).

Mas, pensando no seguinte fato: O Gimp faz quase tudo que o Photoshop faz, é 90 e poucos porcento um Photoshop, é de graça e de sobra ainda tem algumas funcionalidades que ele tem. Então porque manter a febre de só usarmos o que é mais usado se temos uma alternativa viável. Talvez para os casos que não temos valha a pena o investimento que pode chegar a até $850 (a versão CS2), e que mais tarde pode ser recompensado.

Imagem Gimp

Fico revoltado ao ver Universidades gastando muito dinheiro para ter esse produto quando na verdade poderiam estar investindo esse dinheiro em algo melhor, como mais máquinas (imagina o preço da licença no Brasil.. O_o) e ainda sim tendo um programa que vai servir muito bem os estudantes para editoração de imagens.

Então, pense bem. Será vantagem utilizar o Photoshop online? Será que ele não irá manter a cultura do Photoshop e acabará gerando custos para alguém? E se você for realmente trabalhar com ele, seja apenas você ou então em uma empresa, valerá a pena pagar este custo? E ainda, será que o Photoshop teria o mesmo preço se o Gimp não existisse, ou seja, será que não é bom o fato de existir uma alternativa que crie competição no mercado, que faça com que as coisas evoluam e exista menos monopólio?

São perguntas que devem estar bem vivas na nossa mente…

Para ler (conteúdo relacionado):

Pirataria
O software livre nas organizações
Monopólio

O Gimp:

Sítio do grupo de usuários do GIMP (em inglês)
Fórum de usuários do GIMP em português
Comunidade GIMP do Brasil

 

 

Padrão
Debian, Gnome, GNU/Linux, Linux, Ubuntu

Ubuntu Dapper Drake – Flight 6

Saiu o "Vôo 6" do Dapper Drake. Flight 6 é o Alpha/Beta 6 antes do lançamento oficia, em junho.

Link para o Flight 6: http://www.ubuntu.com/testing/flight6

Download do Flight 6 do Dapper Drake: http://cdimage.ubuntu.com/releases/dapper/flight-6/
Posso garantir que o Dapper Drake Flight 5 tá muito bom. To escrevendo dele agora. Parece uma distro terminada, com excessão dos quase 70mb diário de update (o que é bom sinal, temos de convir).

O Flight 6 com certeza deve ter trazido boas melhoras. Com certeza temos muito o que esperar do novo Ubuntu Dapper Drake.

Bom teste ai Galera.

Padrão